EFEITOS DA DIVERSIFICAÇÃO NO MERCADO DE CAPITAIS

Paulo Sergio Ceretta

Abstract


Este artigo investiga qual o número de ações que o investidor deve possuir em sua carteira com objetivo de obter a maioria dos benefícios oriundos da diversificação do investimento. O trabalho foi desenvolvido tomando-se como base as taxas de rentabilidade mensais de 158 ações listadas na Bolsa de Valores de São Paulo no período de janeiro de 1993 até dezembro de 1997. Os resultados obtidos evidenciam que com 12 ações na carteira, o investidor consegue obter a maior parte dos benefícios da diversificação e a partir de 18 ações são praticamente insignificante os benefícios de se incluir um maior número de ações na carteira.

Keywords


Diversificação; risco; mercado de ações



DOI: http://dx.doi.org/10.7867/1980-4431.1999v4n3p%25p

Directories

Indexers

http://diadorim.ibict.br
http://pkp.sfu.ca/node/3747

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.