RELAÇÕES DE TRABALHO EM CRISE: O CASO DO SISTEMA ALEMÃO

  • Francisco Gabriel Heidmann
  • Leo Kissler

Abstract

O modelo alemão de relações laborais está em crise. Seus fundamentos são a autonomia para negociar salários e a co-gestão, por intermédio do Conselho de Trabalhadores e representantes dos trabalhadores no Conselho de Vigilância. A globalização, a europeização das relações trabalhistas e a reunificação alemã trazem novos desafios para o sistema de relações laborais na Alemanha. Nesta preleção, o autor apresenta os principais atores, os fundamentos das condições de negociação e os princípios que regem a organização das partes interessadas. No centro se encontra a prática da política salarial e a co-gestão, bem como a pressão por mudanças, que, em vista da globalização, europeização e reunificação, levam a um novo ordenamento das relações laborais. A crise do modelo alemão tradicional resulta em liberdade; faz repensar e reestruturar as relações de negociação e de poder na economia e nos empreendimentos. Este processo de inovação está em pleno andamento e ruma século 21 adentro. Sua saída está em aberto.
Published
Jun 25, 2007
How to Cite
HEIDMANN, Francisco Gabriel; KISSLER, Leo. RELAÇÕES DE TRABALHO EM CRISE: O CASO DO SISTEMA ALEMÃO. Revista de Negócios, [S.l.], v. 5, n. 1, june 2007. ISSN 1980-4431. Available at: <https://proxy.furb.br/ojs/index.php/rn/article/view/410>. Date accessed: 16 oct. 2021. doi: http://dx.doi.org/10.7867/1980-4431.2000v5n1p%p.

Keywords

Relações laborais; Sindicatos; Associações de empregadores; Conselho de Trabalhadores (workers council); Co-gestão; Política salarial; Globalização