A relacionalidade emergente do comportamento empreendedor gerando qualidade na interação com stakeholders no setor de tecnologia de informação e comunicação

  • Fernando Gomes de Paiva Jr, Dr. Universidade Federal de Pernambuco
  • Nelson Cruz Monteiro Fernandes Universidade Federal de Pernambuco

Abstract

A insuficiente atenção ao aprender relacional tende a fragilizar os processos de parceirização (partnership) no universo das organizações contemporâneas, o que demanda um agir pautado na comunicabilidade e o direcionamento de esforços de empatia entre os interagentes chave dessas [re]articulações. Portanto, a competência relacional demonstra sua relevância para o êxito das articulações de negócio, na medida em que carecem de aperfeiçoamento nos relacionamentos interpessoais. Essa problemática remete ao arcabouço teórico proposto por Phan, Styles e Patterson (2005), cujos aportes conceituais se inspiram na busca de dimensões sobre as competências de iniciar e manter relacionamentos profícuos e prover o aperfeiçoamento da qualidade interpessoal entre líderes de empresas que atuam em setor de tecnologia intensiva. A contribuição do estudo reside na elucidação de categorias que possam ilustrar a viabilidade teórico-empírica do modelo em análise e aprofundar as discussões em torno do tema da relacionalidade. A análise de conteúdo permeia a elaboração dos estudos de campo, que contemplam CEOs de empresas de base tecnológica localizadas na Região Metropolitana do Recife (RMR). Os resultados revelam que a competência mantenedora de relacionamento constitui dimensão relevante no desenvolvimento das articulações no ambito das redes de negócio, principlamente em se tratando de setores de base tecnologica, cujo perfil orgânico demanda velocidade e acurácia nas interações em torno dos seus projetos compartilháveis. A capacidade de negociação e a promoção de consenso entre os parceiros também podem representar elementos primordiais na potencialização de alianças mantenedoras de relações produtivas. No entanto, as exigências de produtividade resultantes da competição faz com que as relações interfirmas não sejam pautadas tão somente por esferas de cooperação em um prisma simétrico de dependência e geração de oportunidades. Por isso, a competência relacional é  mediada pela qualidade do relacionamento interpessoal entre dirigentes de negócio. Assim, a sustentação do empreendedor nas redes de negócio pode ser compreendida sob o foco do desenvolvimento de alianças, por meio da acoplagem de competências na interação social, evento que pressupõe a criação de vínculos sociais extensos e fortalecidos.

Published
Dec 13, 2013
How to Cite
PAIVA JR, DR., Fernando Gomes de; FERNANDES, Nelson Cruz Monteiro. A relacionalidade emergente do comportamento empreendedor gerando qualidade na interação com stakeholders no setor de tecnologia de informação e comunicação. Revista de Negócios, [S.l.], v. 18, n. 4, p. 75-95, dec. 2013. ISSN 1980-4431. Available at: <https://proxy.furb.br/ojs/index.php/rn/article/view/3245>. Date accessed: 21 oct. 2021. doi: http://dx.doi.org/10.7867/1980-4431.2013v18n4p75-95.

Keywords

relacionalidade; comportamento empreendedor; qualidade de relacionamento; empresas de base tecnológica.