Habitações de interesse social: práticas distorcidas do Programa Minha Casa Minha Vida em Viçosa-MG

  • Francismara Fernandes Guerra UFV / pós-doutoranda no Dep. Economia Doméstica
  • Karla Maria Damiano Teixeira UFV/ Professora no Dep. Economia Doméstica
##plugins.pubIds.doi.readerDisplayName## http://dx.doi.org/10.7867/2317-5443.2018v6n2p147-162

Resumo

A realidade das negociações ocorridas dentro do Programa Minha Casa, Minha Vida mostra, muitas vezes, práticas que distorcem sua função social. Nesse sentido, pretende-se investigar como as propostas do programa são realmente aplicadas, principalmente quanto ao público atendido, e as negociações das habitações de interesse social, especialmente. Para tanto, realizou-se uma pesquisa de campo, na qual foram investigados diversos agentes do mercado de imóveis, com a finalidade de levantar pontos que necessitem de interferências para se combater o défcit habitacional com mais eficiência. Conclui-se que tais moradias são vendidas diretamente no mercado acima do valor estabelecido no programa e compradas por famílias cuja renda excede os limites da modalidade que, contudo, é ajustada a fim de se conseguir maiores subsídios. Nesse sentido, coloca-se que o próprio programa é um dos responsáveis por esta situação, já que suas diretrizes acabam se tornando restrições sociais.

Publicado
Mar 26, 2019
Como citar
GUERRA, Francismara Fernandes; TEIXEIRA, Karla Maria Damiano. Habitações de interesse social: práticas distorcidas do Programa Minha Casa Minha Vida em Viçosa-MG. Revista Brasileira de Desenvolvimento Regional, Blumenau, v. 6, n. 2, p. 147-162, mar. 2019. ISSN 2317-5443. Disponível em: <https://proxy.furb.br/ojs/index.php/rbdr/article/view/6545>. Acesso em: 04 dez. 2021. doi: http://dx.doi.org/10.7867/2317-5443.2018v6n2p147-162.
Seção
Artigos