O Programa Bolsa Família e os povos indígenas da Amazônia: inserção social precarizada?

  • Joelma Ferreira Franzini UFAC
  • Elder Andrade de Paula Universidade Federal do Acre

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar, no contexto amazônico, o Programa Bolsa Família (PBF), junto aos povos indígenas do Acre. Procuramos indagar se as ações dessa política estão pautadas em um tipo de inserção social precarizada e assistencialista. Nessa perspectiva, consideramos as consequências dos deslocamentos atípicos desses povos para os núcleos urbanos para sacar os seus benefícios. A análise está referenciada nos dados de uma pesquisa para fins de Mestrado, concluído em 2016. Trata-se de um estudo baseado no método histórico-dialético. Como procedimentos metodológicos, realizamos uma revisão bibliográfica, o exame de fontes documentais, observação e entrevistas semiestruturadas. Priorizamos uma análise qualitativa. Nas conclusões mostramos que as repercussões dessa política tende a erodir a territorialidade desses povos, fomentando uma inserção precarizada, seja em seus próprios territórios e ou nas periferias urbanas.

Código JEL | I38; O18; R13.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
Dez 12, 2016
Como citar
FRANZINI, Joelma Ferreira; DE PAULA, Elder Andrade. O Programa Bolsa Família e os povos indígenas da Amazônia: inserção social precarizada?. Revista Brasileira de Desenvolvimento Regional, Blumenau, v. 4, n. 2, p. 079-092, dez. 2016. ISSN 2317-5443. Disponível em: <https://proxy.furb.br/ojs/index.php/rbdr/article/view/5485>. Acesso em: 05 dez. 2022. doi: http://dx.doi.org/10.7867/2317-5443.2016v4n2p079-092.
Seção
Artigos

Palavras-chave

Acre; inserção social precarizada; povos indígenas da Amazônia; Programa Bolsa Família.