Do desenvolvimentismo ao neodesenvolvimentismo: uma análise das relações de trabalho no Brasil

  • Marllon Emanoel Souza Medeiros de Vasconcelos Universidade Federal de Pernambuco
  • Débora Coutinho Paschoal Dourado Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão sobre as relações de trabalho no Brasil desde a reestruturação econômica da década de 1930. No que se refere às relações de trabalho no desenvolvimentismo, defende-se que as condições que favoreceram o processo de acumulação de capital na indústria nascente decorreram de relações de trabalho fragilizadas, de condições precárias de trabalho e de representação sindical fragmentada. Assim, formou-se uma estrutura dual: por um lado, a industrialização, por outro, a persistência de relações de trabalho tradicionais e informais. Com o fim do projeto desenvolvimentista, no final da década de 1980, iniciou-se um projeto de reestruturação produtiva de base neoliberal. A reestruturação produtiva, aliada à abertura comercial, resultou no desmonte da cadeia industrial nacional, na intensificação da fragilidade das relações de trabalho e na estagnação econômica. O artigo se propõe, então, a discutir o neodesenvolvimentismo, iniciado com a recuperação do crescimento econômico, que conduziu a um aumento do poder aquisitivo salarial e a melhorias em indicadores sociais. Conclui-se que, apesar de resultados positivos, não existem indícios suficientes de que ao neodesenvolvimentismo se associem transformações nas relações de trabalho.

Código JEL | J21; J58; O21.

Publicado
Set 22, 2016
Como citar
SOUZA MEDEIROS DE VASCONCELOS, Marllon Emanoel; COUTINHO PASCHOAL DOURADO, Débora. Do desenvolvimentismo ao neodesenvolvimentismo: uma análise das relações de trabalho no Brasil. Revista Brasileira de Desenvolvimento Regional, Blumenau, v. 4, n. 1, p. 077-098, set. 2016. ISSN 2317-5443. Disponível em: <https://proxy.furb.br/ojs/index.php/rbdr/article/view/5298>. Acesso em: 22 maio 2022.
Seção
Artigos

Palavras-chave

Brasil; flexibilização; neodesenvolvimentismo; reestruturação produtiva; relações de trabalho.