CHICO SCIENCE: A POESIA E A DANÇA

  • Terêsa Maria Otranto Abrantes Maurício de Nassau

Resumo

Neste artigo, mostramos a origem do movimento Mangue beat, bem como o surgimento de seu mentor. Analisamos também as influências recebidas através de novos ritmos nacionais, como a embolada, a cantiga de roda e o maracatu e ritmos estrangeiros, como o soul, o rock, o funk, o Hip Hop, o reggae e o ska. Registramos ainda as influências de novas artes, como: os quadrinhos, os estilistas, a performance, o Hip Hop (movimento cultural estruturado em cinco pilares: na música eletrônica de um DJ, no grafite, no RAP, no Break Dance e no MC) com impacto social na moda e na dança. Chico fundiu tudo isso, associando-os ainda a Josué de Castro, com sua Geografia da fome, aos clássicos da ficção científica e ao cangaço, para criar o movimento Mangue beat. Nesta “colcha de retalhos” analisamos o conteúdo de algumas das suas letras de músicas, bem como a performance de Chico Science ao apresentá-las, incorporando-as às teorias de Canclini.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
Mar 1, 2012
Como citar
ABRANTES, Terêsa Maria Otranto. CHICO SCIENCE: A POESIA E A DANÇA. Linguagens - Revista de Letras, Artes e Comunicação, [S.l.], v. 5, n. 1, p. 022-035, mar. 2012. ISSN 1981-9943. Disponível em: <https://proxy.furb.br/ojs/index.php/linguagens/article/view/2914>. Acesso em: 02 out. 2022. doi: http://dx.doi.org/10.7867/1981-9943.2011v5n1p022-035.

Palavras-chave

Literatura popular. Performance. Mangue beat. Intertextualidade. Análise de letras.