Perfil motor de criança com encefalopatia crônica não progressiva – implicações para a intervenção profissional

  • Joyce Ribeiro UDESC
  • Gisele Caon UDESC
  • Thais S. Beltrame UDESC

Resumo

O objetivo deste estudo foi caracterizar o perfil motor de uma criança com encefalopatia crônica não progressiva do tipo atetose distônica. Trata-se de uma pesquisa quali-quantitativa do tipo estudo de caso, tendo como sujeito de estudo uma criança do sexo feminino, com 5 anos de idade. Método: O perfil motor foi traçado a partir da avaliação da função motora ampla com o Gross Motor Function Measure (GMFM-88) e uma Ficha de Avaliação Fisioterapêutica. Dados referentes a história pré, peri e pós natal foram obtidos através de consulta ao prontuário da paciente. Resultados: A criança apresenta histórico peri-natal de aspiração meconial, com índices de Apgar no primeiro e quinto minutos menor que oito. Quanto ao padrão motor, esta apresenta um padrão típico ao descrito por Bobath e Bobath (1978) como característico de crianças com atetose distônica, com escore total obtido pelo GMFM de 6,5%, representando um escore inferior ao encontrado em outros estudos realizados, mesmo com o mesmo diagnóstico clínico e fisioterapêutico. Conclusões: Diante do importante comprometimento motor do caso em estudo, é pertinente enfatizar a importância da intervenção terapêutica individualizada e efetiva na busca constante pelo aprimoramento da qualidade de vida da paciente.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Como citar
RIBEIRO, Joyce; CAON, Gisele; BELTRAME, Thais S.. Perfil motor de criança com encefalopatia crônica não progressiva – implicações para a intervenção profissional. Revista Dynamis, [S.l.], v. 14, n. 2, p. 42-45, abr. 2009. ISSN 1982-4866. Disponível em: <https://proxy.furb.br/ojs/index.php/dynamis/article/view/1275>. Acesso em: 12 ago. 2022. doi: http://dx.doi.org/10.7867/1982-4866.2008v14n2p42-45.
Seção
Ciências Agrárias, Biológicas e da Saúde

Palavras-chave

perfil motor, paralisia cerebral, avaliação, GMFM