A NATURALIZAÇÃO DA EXCLUSÃO/INCLUSÃO SOB O OLHAR DE UMA PESSOA CEGA: UMA DESCONSTRUÇÃO URGENTE E NECESSÁRIA

Resumo

Ao longo da história, as pessoas cegas foram vistas e pensadas das mais diversas formas. No entanto, não é porque as concepções a respeito das mesmas transformaram-se, assim como as oportunidades de inclusão ampliaram-se com o passar do tempo, que essas deixaram de enfrentar condições estruturais que as oprimem e negligenciam. Pelo contrário, ainda hoje, as pessoas cegas são significadas de forma extremamente negativa e segregatória. Diante desse cenário, ao tentar compreender a história de Wagner, ex-aluno e ex-professor da Escola para Cegos “Helen Keller” de Ribeirão Preto (1950-1970), por meio de uma pesquisa de caráter historiográfico em triangulação com a pesquisa documental e a história oral, buscou-se apresentar como o fenômeno da exclusão/inclusão tornou-se naturalizado na constituição de Wagner enquanto aluno e professor cego.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
Ago 9, 2022
Como citar
LEAL, Daniela. A NATURALIZAÇÃO DA EXCLUSÃO/INCLUSÃO SOB O OLHAR DE UMA PESSOA CEGA: UMA DESCONSTRUÇÃO URGENTE E NECESSÁRIA. Atos de Pesquisa em Educação, [S.l.], v. 17, n. 1, p. e9594, ago. 2022. ISSN 1809-0354. Disponível em: <https://proxy.furb.br/ojs/index.php/atosdepesquisa/article/view/9594>. Acesso em: 02 out. 2022. doi: http://dx.doi.org/10.7867/1809-03542022e9594.

Palavras-chave

cegueira; exclusão; história oral; inclusão; Ribeirão Preto