INFLUÊNCIA DOS PERFIS DE PROFISSIONAIS DE EMPRESAS GESTORAS NO DESEMPENHO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO À LUZ DA TEORIA DA SINALIZAÇÃO

Thamirys de Sousa Correia, Ingrid Laís de Sena Costa, Wenner Glaucio Lopes Lucena

Resumo


A pesquisa teve como objetivo investigar a influência dos perfis de profissionais das equipes executivas e de gestão de empresas gestoras no desempenho de fundos de investimentos no Brasil, à luz da teoria da sinalização, entre os anos de 2011 a 2015. Coletou-se as informações sobre perfis de executivos e gestores, a variável de desempenho dos fundos (Índice de Sharpe) e as variáveis de controle por meio dos 'Anuários da Indústria de Fundos de Investimento' e da Comdinheiro. Os resultados mostram que 51,70% dos gestores do sexo masculino apresentaram relações positivas com o Índice de Sharpe quando os fundos são analisados conjuntamente (Renda Fixa, Fundos de Ações e Multimercado), todavia ao analisar os fundos de forma separada, por meio de suas classes, não foi observada significância estatística, não sendo possível ter um resultado conclusivo sobre a diversidade de gênero. Ademais, a formação em área de negócios não influenciou no índice de desempenho, contudo houve relações positivas e significantes entre ‘anos de instituição’ e Índice de Sharpe quando se analisa as classes de fundos conjuntamente ou apenas os Fundos de Multimercado. Outrossim, a variável 'anos de mercado' influenciou de forma negativa no Índice de Sharpe, havendo como explicação o fato de os profissionais experientes se preocuparem com a sua reputação e por isso tomarem decisões que podem impactar nos rendimentos de cotistas. Posto isso, informações de baixo custo como ‘anos de instituição’ e 'anos de mercado' contribuem para os investidores na seleção de altos executivos e gerentes.


Palavras-chave


Teoria da sinalização; Desempenho; Gestoras.

Texto completo:

DOI:10.4270/ruc.2018104

Referências


ADAMS, R. B.; FERREIRA, D. Women in the Boardroom and Their Impact on Governance and Performance, Journal of Financial Economics, v. 94, n. 2, p. 291-309, 2009.

AGGARWAL, R.; & BOYSON, N. M. The performance of female hedge fund managers. Review of Financial Economics. 29, p. 23–36, 2016.

AKPAN, E. O.; AMRAN, N. A. Board characteristics and company performance: Evidence from Nigeria. Journal of Finance and Accounting, v. 2, n. 3, p. 81-89, 2014.

ALSOS, G. A.; LJUNGGREN, E. The Role of Gender in Entrepreneur–Investor Relationships: A Signaling Theory Approach. Entrepreneurship Theory And Practice, 40, 2016.

ANG, J. S.; CHEN, C. R.; LIN, J. W. Mutual fund managers' efforts and performance. Journal of Investing, v. 7, n. 4, p. 68‐75, 1998.

ARIF, I.; JAWAID, T. Effect of Fund Managers' Characteristics on Mutual Funds Performance and Fee in Emerging Market of Paksitan. Published. Global Management Journal for Academics and Corporate Studies, v. 1, n. 1, p. 40-45, 2011.

BANKER, R; CHEN, J. Y. S.; KLUMPES, P. A trade-level DEA model to evaluate relative performance of investment fund managers. European Journal of Operational Research, v. 255, n. 3, p. 903-910, 2016.

BRANDÃO, H. P.; BORGES-ANDRADE, J. E.; GUIMARÃES, T. A. Desempenho organizacional e suas relações com competências gerenciais, suporte organizacional e treinamento. R.Adm, São Paulo, v. 47, n. 4, p. 523-539, 2012.

BRASIL. Comissão de Valores Mobiliários. O mercado de valores mobiliários. 3. ed, 376p, Rio de Janeiro, 2014.

BRASIL. Comissão de Valores Mobiliários. Fundos de Investimentos. (2016). Disponível em < http://www.cvm.gov.br/menu/regulados/fundos/fundos.html> Acesso em: 18/12/2016.

BRASIL. Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento. (2016). Disponível em < http://portal.anbima.com.br/fundos-de investimento/regulacao/codigo-de-fundos-deinvestimento/Documents/Codigo_Fundos_20140602.pdf> Acesso em: 18/12/2016.

BRASIL. Centro de Estudos em Finanças da Fundação Getúlio Vargas. Anuários da Indústria de Fundos de Investimento do Brasil. (2016). Disponível em: < http://cef.fgv.br/anuario> Acesso em: 18/12/2016.

CAHART, MARK M. On Persistence of Mutual Fund Performance. The Journal of Finance, v. 52, n. 1, 1997.

CHAN, K.; COVRIG, V. What Determines mutual fund trading in foreign stocks? Journal of International Money and Finance, v. 31, n. 4, p. 793–817, 2012.

CHEN, J.; HONG, H.; HUANG, M.; KUBIK, J. D. Does Fund Size Erode Mutual Fund Performance? The Role of Liquidity and Organization. The American Economic Review, v. 94, n. 5, p. 1276-1302, 2004.

CLARE, A, The performance of long-serving fund managers. International Review of Financial Analysis, v. 52, n. 152, 2017.

CUTHBERTSON, K.; NITZSCHE, D.; O'SULLIVAN, N, A review of behavioural and management effects in mutual fund performance, International Review of Financial Analysis, v. 44, n. 162, 2016.

DALMACIO, F. D.; VALCEMIRO N.; ZANQUETTO FILHO, H. Avaliação da relação entre a performance e a taxa de administração dos fundos de ações ativos brasileiros. REPeC - Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 1, n. 3, p. 1-20, 2007.

DITTMAR, A.; DUCHIN, R. Looking in the Rearview Mirror: The Effect of Managers' Professional Experience on Corporate Financial Policy. Review of Financial Studies, v. 29, n. 3, p. 565-602, 2016.

ELING, M. Does the measure matter in the mutual fund industry? Financial Analysts Journal, Charlottesville, v. 64, n. 3, p. 1-13, 2008.

FONSECA, S. C.; MALAQUIAS, R. F. O efeito smart money no segmento de fundos multimercados the smart money effect on the multimarket funds segment. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade. v. 2, n. 3, p. 3-16, 2012.

CHEVALIER, J.; ELLISON, G. Are Some Mutual Fund Managers Better Than Others? Cross-Sectional Patterns in Behavior and Performance, Journal of Finance, 54, p. 875-899, 1999.

GALLAGHER, D. R; NADARAJAH, P.; PINNUCK, M. Top management turnover: An examination of portfolio holdings and fund performance. UNSW Working Paper, p. 1-45, 2005.

GARCIA, I. A. S.; LUCENA, W. G. L. Motivos para recompra de ações: uma análise com as empresas da BM&Fbovespa e da Nyse. In: X Congresso ANPCONT, 2016, Ribeirão Preto/SP. Anais... São Paulo: ANPCONT, 2016. CD-ROM.

GOLEC, J. H. The effects of mutual fund managers´characteristics on their portfolio performance, risk and fees. Financial Services Review, v. 5, n. 2, p. 133-148, 1996.

GOMES, M. G. Relação entre captação e desempenho: uma investigação do comportamento de investidores pessoas físicas e institucionais. Dissertação. 2014. 75 f. (Mestrado em Finanças e Economia), Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, 2014.

GOMULYA, D.; WARREN BOEKER, W. How Firms Respond to Financial Restatement: CEO Successors and External Reactions. Academy of Management Journal. v. 57, n. 6, p. 1-56, 2014.

GOTTESMAN, A. A.; MOREY, M. R. Manager Education and Mutual Fund Performance. Journal of Empirical Finance, v. 13, n. 2, p. 145-182, 2006.

GUJARATI, D. Econometria Básica (4 ed.). Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

IPPOLITO, R. A.; TURNER, J. A. Turnover, fees and pension plan performance. Financial Analysts Journal, v. 43, n. 6, p. 16‐26, 1987.

KING, T.; SRIVASTAV, A.; WILLIAMS, J. What's in an education? Implications of CEO education for bank performance. Journal of Corporate Finance, v. 37, n. 287, 2016.

LI, C.; TSENG, Y.; CHEN, T.K. Top management team expertise and corporate real earnings management activities. Advances in Accounting, v. 34, n. 117, 2016.

MAESTRI, C. O. N. M.; MALAQUIAS, R. F. Aspectos do Gestor, Alocação de Carteiras e Desempenho de Fundos no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças - USP, v. 29, n. 76, p. 82-96, 2018.

MALAQUIAS, R. F.; EID, W., JR. Eficiência de mercado e desempenho de fundos multimercados. Revista Brasileira de Finanças, v. 11, n. 1, p. 119-142, 2013.

MALAQUIAS, R. F.; PEIXOTO, F. M.; JONES, G. D. C. Fundos de Investimentos, Bancos Administradores e Empréstimos Concedidos a Empresas Abertas: uma Análise no Cenário Brasileiro. Revista Contabilidade Vista & Revista, v. 25, n. 3, p. 121-142, 2014.

MALAQUIAS, R. F.; MAMEDE, S. P. N. Efeito Calendário e Finanças Comportamentais. RAC, Rio de Janeiro, 19, Edição Especial, art. 6, p. 98-116, 2015.

MARQUES, V. A.; SOUZA, A. A.; JUNIOR, A. F. C. Os critérios de avaliação utilizados no processo decisório dos fundos de investimentos em capital empreendedor. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 8, n. 2, p. 317-340, 2015.

MILANI, B.; CERETTA, P. S. Efeito tamanho nos fundos de investimento brasileiros. Rev. Adm. UFSM, v. 6, n. 1, p. 119-138, 2013.

NASCIMENTO, S.; BEUREN, I. M. Impacto do Sistema de Recompensa e do Acesso às Informações sobre o Desempenho Individual no Empowerment Psicológico e o seu Reflexo na Eficácia Gerencial de Empresa Multinacional. Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 9, n. 1, p. 6–24, 2014.

OLIVEIRA FILHO, B. G.; SOUSA, A. F. Fundos de investimento em ações no Brasil: métricas para avaliação de desempenho. REGE, v. 22, n. 1, p. 61-76, 2015.

PEREIRA, B. Performance e captação de fundos: Quais janelas de retorno são mais relevantes? 2014. 42 f. Dissertação (mestrado) - Escola de Economia de São Paulo, 2014.

SILVA, P. Z. P.; GARCIA, I. A. S.; LUCENA, W. G. L.; PAULO, E. A Teoria da Sinalização e a Recuperação Judicial: um estudo nas empresas de capital aberto listadas na BM&Fbovespa. In: XV Congresso USP Controladoria e Contabilidade, 2015, São Paulo/SP. Anais... São Paulo: Congresso USP Controladoria e Contabilidade, 2015.

SHARPE, W. F. Capital Asset Price. A Theory of Market Equilibrium under Condition of Risk. Journal of Finance. 19, p. 425-442, 1964.

SPENCE, A. M. Market signaling: Informational transfer in hiring and related screening processes. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1974.

ZHANG, Y.; WIERSEMA, M. F. Stock market reaction to CEO certification: The signaling role of CEO background. Strategic Management Journal, v. 30, n. 7, p. 693–710, 2009.

ZIMMERMAN, M. A. The influence of top management team heterogeneity on the capital raised through an initial public offering. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 32, n. 3, p. 391–414, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.4270/RUC.2018104

Locations of visitors to this page

................................................................................................................................................................................................................................................................

Revista Universo Contábil - ISSN 1809-3337
Rua Antonio da Veiga, 140, Sala D-202
CEP 89012-900, Blumenau, SC, Brasil
Tel.: +554733210938 Fax: +554733228818
e-mail: universocontabil@furb.br