A GESTÃO DINÂMICA DO CAPITAL DE GIRO NA INDÚSTRIA DE CONFECÇÕES DE PERNAMBUCO

Raquel Souza Ramos, Joséte Florencio Santos, Adriana Fernandes Vasconcelos

Resumo


Esta pesquisa teve por objetivo identificar como as empresas que compõem o Polo de Confecções do Agreste de Pernambuco realizam a gestão do capital de giro segundo o modelo dinâmico de Fleuriet. O modelo dinâmico, conhecido também como modelo de Fleuriet, foi desenvolvido a fim de proporcionar uma visão menos estática e mais adequado à realidade brasileira, no que tange a análise financeira. O modelo apresenta uma nova classificação do balanço patrimonial, em que as contas são classificadas conforme o tempo que leva para realizar um giro. Após esse processo de definições dos ciclos, a empresa consegue identificar as três variáveis que o modelo desenvolveu: Necessidade de Capital de Giro (NCG), o Capital de Giro (CDG) e a disponibilidade de recursos, representado pelo saldo de Tesouraria (T). Trata-se de um estudo exploratório-descritivo realizado em 55 empresas, com coleta de dados realizada através da aplicação de um questionário estruturado. A análise foi efetuada por meio das três variáveis do modelo a NCG, o CDG e o T. Os resultados referentes à situação financeira das empresas pela ótica do modelo dinâmico se mostraram favorável, pois as empresas apresentaram uma situação financeira excelente, devido à necessidade de capital ser negativa, o capital de giro positivo e o saldo tesouraria também positivo, demonstrando uma alta liquidez, sendo um dos principais motivos a opção pelo capital gerado internamente.


Palavras-chave


Análise Dinâmica do Capital de Giro; Pequenas Empresas; Polo de Confecção do Agreste.

Texto completo:

DOI:10.4270/ruc.2017427

Referências


ABIT, Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção. Perfil do Setor.2016. Disponível em: http://www.abit.org.br/cont/perfil-do-setor. Acesso em: 25 maio 2017.

AMBROZINI, M. A.; MATIAS, A. B.; PIMENTA JÚNIOR, T. Análise dinâmica de capital de giro segundo o modelo fleuriet: uma classificação das empresas brasileiras de capital aberto no período de 1996 a 2013. Revista Contabilidade Vista & Revista, n. 2, p. 15-37, mai/ago. 2014.

APPUHAMI, B. A. R. The impact of firms’ capital expenditure on working capital management: an empirical study across industries in Thailand. International Management Review, v. 4, n. 1, p. 11-24, jan. 2008.

ARAÚJO, J. G.; LAGIOIA, U. C. T.; ARAÚJO, J. G. N.; SILVA FILHO, L. L.; CARLOS FILHO, F. A. Arranjo Produtivo Local de Confecção do Estado de Pernambuco: Utilização de Práticas Gerenciais de Custos e Formação de Preço para Tomada de Decisão. In: XV Congresso de Contabilidade e Controladoria, 15, 2015, São Paulo/SP, Anais ... SP, 2015.

ASSAF NETO, A.; SILVA, C. A. T. Administração do Capital de Giro. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

BRAGA, R. Análise avançada do capital de giro. Caderno de Estudos FIPECAFI, n.3, 1991.

BRAGA, R.; NOSSA, V.; MARQUES, J. A. V. C. Uma proposta para a análise integrada da liquidez e rentabilidade das empresas. Revista Contabilidade e Finanças, v. 15, p. 51-64, 2004.

BRASIL, H. V.; BRASIL, H. G. Gestão financeira das empresas: um modelo dinâmico. 4 ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005.

CHAVES, R. T. C.; LAMES, E. R.; LAMES, L. C. J. Uma Análise da Percepção dos Gestores Donos de Pequenas Empresas quanto à Aplicação do Princípio de Entidade. In: XX Congresso Brasileiro de Custos, 20, 2013, Uberlândia/MG. Anais ... MG, 2013.

FREIRE, J. R.; LEMKE, V.; SOUZA, A. C. Mistura das contas pessoais e patrimoniais em micro e pequenas empresas: estudos múltiplos de casos no setor supermercadista de Santa Teresa – ES. In: VIII Convibra Administração – Congresso Virtual Brasileiro de Administração. Anais..., 2011. Disponível em: http://www.convibra.org/upload/paper/adm/adm_3460.pdf. Acesso em: 15 fev. 2016.

FERREIRA, C. C.; MACEDO, M. A. S.; SANT’ANNA, P. R.; LONGO, O. C.; BARONE, F. M. Gestão de capital de giro: contribuição para as micro e pequenas empresas no Brasil. Revista Rap, n 3, p. 863-84. mai./jun. 2011.

FLEURIET, M.; KEHDY, R.; BLANC, G. O modelo Fleuriet: a dinâmica financeira das empresas brasileiras. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

KASSAI, J. R.; KASSAI, S.; NOSSA, V. Pequenas empresas – como é difícil levantar dinheiro. In: VII Congresso Brasileiro de Custos, 7, 2000, Recife. Anais ... PE, 2000, p. 1-20.

LEVINE, D. M.; STEPHAN, D. F.; KREHBIEL, T. C.; BERENSON, M. L. Estatística: teoria e aplicações. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

MACHADO, Márcio André Veras; MACHADO, Márcia Reis; BARRETO, Kelly Nayane Brillante. Políticas e instrumentos gerenciais utilizados na gestão do capital de giro das pequenas e médias empresas: Um estudo exploratório. In: XIV Congresso Brasileiro de Custos Anais, 14, 2010, Porto de Galinha/PE. Anais ... Porto de Galinha, 2010. p.1590-1606.

MACHADO, M. A. V.; MACHADO, M. R.; CALLADO, A. L. C.; ARAÚJO JÚNIOR, J. B. Análise dinâmica e o financiamento das necessidades de capital de giro das pequenas e médias empresas. In: congresso USP controladoria e contabilidade, 5, 2005, São Paulo. Anais... São Paulo: CONGRESSO USP, p. 1-16, 2005.

MARQUES, J. A. V. C.; BRAGA, R. Análise dinâmica do capital de giro: o modelo Fleuriet. Revista de Administração de Empresas, n.3, p.49-63, Mai./Jun .1995.

MARQUES, L.; SANTOS, V.; BEUREN, I. M. Abordagem dinâmica do capital de giro em artigos publicados nos periódicos nacionais do Qualis CAPES. Revista de Economia e Administração, n.1, p. 109-130, Jan-Mar. 2012.

MINISTÉRIO DO TURISMO. Como a moda movimenta o turismo no Brasil. 2015 Disponível em: . Acesso em: 07 jun. 2015.

MONTEIRO, A. A. S. Fluxos de Caixa e Capital de Giro – Uma adaptação do Modelo de Fleuriet. Revista Pensar Contábil, n. 20, p. 27-33, 2003.

OLIVEIRA, A. M. B.; RIGO, A. S.; CARVALHO, D. M. Financiamento e gerenciamento de capital de giro em empresas de fruticultura irrigada: um estudo de caso no Vale do São Francisco. Revista Eletrônica de Gestão, n. 2, p. 7-24, 2009.

PAIXÃO, R. B.; BRUNI, A. L.; MURRAY, A. D.; GARCIA, M. Análise dinâmica do setor comercial nacional: uma aplicação do modelo Fleuriet. Revista Gestão e Planejamento, n. 2, p. 199-216, jul./dez. 2008.

PIMENTTEL, Renê Coppe; BRAGA, Roberto; NOVA, CASA NOVA, Silvia Pereira. Interação Entre Rentabilidade e Liquidez: Um Estudo Exploratório. Revista de Contabilidade do Mestrado de Ciências Contábeis da UERJ. Rio de Janeiro, n. 2, p. 83-94, 2005.

PORTAL DO BRASIL, Sobrevivência e mortalidade. 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 fev. 2016.

SANTINI, S.; FAVARIN, E. V.; NOGUEIRA, M. A.; OLIVEIRA, M. L.; RUPPENTHAL, J. E.. Fatores de mortalidade em micro e pequenas empresas: um estudo na região central do Rio Grande do Sul. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, n. 1, p. 145-169, jan./abr. 2015.

SANTOS, L. M.; FERREIRA, M. A. M.; FARIA, E. R. Gestão financeira de curto prazo: Características, instrumentos e práticas adotadas por micro e pequenas empresas. Revista de administração da Unimep, n.3, p. 70-92, set/dez. 2009.

SEBRAE - SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Fatores condicionantes e taxa de mortalidade de empresas. Brasília: SEBRAE, 2010.

______. Finanças: empresa x pessoal, 2010. Disponível em: < http://sebraemgcomvoce.com.br/2010/04/14/financas-empresa-x-pessoal/> Acesso em: 13 fev. 2016.

______. Micro e pequenas empresas geram 27% do PIB do Brasil. 2015. Disponível em: < http:www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/mt/noticias/micro-e-pequenas-empresas-geram-27-do-pib-do-brasil,ad0fc70646467410VgnVCM2000003c74010aRCRD >. Acesso em: 07 jun. 2015.

______. Projeto Agente Local de Inovação (ALI) em Pernambuco. Revista SEBRAE, 2012.

SILVA, A. A. Estrutura, análise e interpretação das demonstrações contábeis. São Paulo: Atlas, 2007.

SILVA, J. P. Análise financeira das empresas. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

SILVA, J. O.; SANTOS, V.; HEIN, N.; LYRA, R. L. W. C. Nível informacional entre a análise tradicional e avançada do capital de giro. Revista Pretexto, n. 2, p. 40-56, Abr/Jun. 2012.

SMITH, K. V. State of the art of Working Capital Management. Financial Management, Illinois, n. 3, p. 50-55, Oct.1973.

SHIN, H.; SOENEN, L. Efficiency of Working Capital Management and Corporate Profitability. Financial Practice and Education, n. 2, p. 37-45, Set.1998.

TALEB, G. A.; ZOUED, A.; SHUBIRI, F. N. The Determinants of Effective Working Capital Management Policy: A Case Study on Jordan. Interdisciplinary Journal of Contemporary Research in Business, n. 4, p. 248-264, Aug. 2010.

VIEIRA, M. V. Administração estratégica do capital de giro. 2.ed. São Paulo: Atlas.




DOI: http://dx.doi.org/10.4270/ruc.2017427

Locations of visitors to this page

................................................................................................................................................................................................................................................................

Revista Universo Contábil - ISSN 1809-3337
Rua Antonio da Veiga, 140, Sala D-202
CEP 89012-900, Blumenau, SC, Brasil
Tel.: +554733210938 Fax: +554733228818
e-mail: universocontabil@furb.br