ATIVOS CULTURAIS: UMA ANÁLISE DO TRATAMENTO CONTÁBIL EM CIDADES HISTÓRICAS DO ESTADO DE GOIÁS

Lorena Almeida Campos, Vânia Arcelino dos Santos, Diana Vaz de Lima

Resumo


Com o advento do processo de convergência da contabilidade pública brasileira aos padrões contábeis internacionais, os bens de uso comum devem ser incorporados ao patrimônio das entidades públicas responsáveis pela sua administração e controle, entre eles os ativos culturais (heritage assets). Em razão da natureza única que quase sempre cerca o registro desses valores, o presente estudo tem como objetivo identificar as práticas contábeis adotadas por cidades históricas no reconhecimento, mensuração e evidenciação dos ativos culturais no âmbito do Setor Público. Para tratar a questão da pesquisa, foram realizados estudos nas cidades históricas de Pirenópolis e Goiás, situadas no Estado de Goiás, a partir da análise das contas do Ativo Permanente dos Balanços Patrimoniais relativos aos exercícios de 2013 e 2014, e efetuada uma entrevista com o diretor responsável pela Diretoria de Planejamento e Implementação de Sistemas do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás – TCMGO, entidade fiscalizadora desses Municípios. Os achados do estudo mostram que apesar de as duas cidades possuírem importantes obras como patrimônio histórico e artístico, tendo bens tombados há mais de meio século, e de essas obras tombadas atenderem aos critérios de reconhecimento, mensuração e evidenciação de ativos segundo a Teoria da Contabilidade, não há evidências de ativos culturais contabilizados. Entre as principais dificuldades está a falta de pessoal qualificado nas Prefeituras para a realização dos levantamentos e avaliações que serão necessários.


Palavras-chave


Ativos Culturais. Cidades Históricas. Contabilidade Pública. Processo de Convergência.

Texto completo:

doi:10.4270/ruc.2016318

Referências


ALMEIDA, M.G.H.; HAJI, Z.S.E. Mensuração e avaliação do ativo: uma revisão conceitual e uma abordagem do goodwill e do ativo intelectual. Caderno de estudos da Fipecafi, São Paulo, v. 9, n. 16, 1997.

ASB – ACCOUNTING STANDARD BOARD. Financial reporting standard 30: heritage assets. London: ASB, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2015.

BARTON, A. D. Accounting for public heritage facilities – assets or liabilities of the government?. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 13, n. 2, p. 219 – 236, 2000.

______. The conceptual arguments concerning accounting for public heritage assets: a note. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 18, n. 3, p. 434-440, 2005.

BORGES, E. F. et al. Heritage Assets: Tangíveis ou Intangíveis?. Pensar Contábil, v. 15, n. 56, p. 42-47, 2013.

BUCH GÓMEZ, E. J.; CABALEIRO CASAL, R. “Heritage Assets” e Infraestructuras Públicas: ¿Cómo, Dónde y por Cuánto?.Investigaciones Europeas de Dirección y Economía de la Empresa, v. 14, n. 1, p. 103-116, 2008.

CARNEGIE, G.D.; WOLNIZER, P.W. “Unravelling the rhetoric about the financial reporting of public collections as assets”. Australian Accounting Review, v. 9, n. 1, p. 16-21, 1999.

CPC – COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro. 2011. Disponível em: . Acesso em 3 jun. 2015.

CURVINA, Vinícius Mascarenhas Guerra; FREIRE, Fátima de Souza. Mensuração de eventos culturais: Estudo aplicado na Festa do Divino em Pirenópolis – GO. Congresso Brasileiro de Custos, 23., Foz do Iguaçu, PR, 2015. Anais... Disponível em: . Acesso em: 16 dez 2015.

EDWARDS, E. O.; BELL, P.W. The theory and measurement of business income. Berkeley e Los Angeles: University of California, 1961. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2015.

FASAB – FEDERAL ACCOUNTING STANDARDS ADVISORY BOARD. Statement of Federal Financial Accounting Standards 29: Heritage Assets and Stewardship Land. July, 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2015.

FASB – FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS BOARD. Statement of Financial Accounting Concepts No. 5. FASB, 2010a.

______. Statement of Financial Accounting Concepts No. 7. FASB, 2010b.

______. Statement of Financial Accounting Concepts No. 8. FASB, 2010c.

HENDRIKSEN, E.S.; VAN BREDA, M. F. Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999.

HILLE, H. Fundamentals of theory of measurement. Lecture delivered on the Spring-Meeting of the German Physical Society. Ludwing-Maximilians-University. Munich, Geman, 1997. Disponível em: < http://www.helmut-hille.de/theory.html >. Acesso em: 3 jun. 2015.

HOOPER, K.; KEARINS, K.; GREEN, R. Knowing “the price of everything and the value of nothing”: accounting for heritage assets. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 18, n. 3, p. 410-433, 2005.

IFAC – INTERNATIONAL FEDERATION OF ACCOUNTANTS. International Public Sector Accounting Standards - IPSAS 17: Property, Plant and Equipment. 2006. Disponível em: < https://www.iaasb.org/system/files/publications/files/A26%20IPSAS_17.pdf >. Acesso em: 2 jun. 2015.

______. The conceptual framework for general purpose financial reporting by public sector entities.USA: IFAC, 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2015.

IPHAN – INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Goiás. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2015a.

______. Lista de Bens Tombados e Processos em Andamento (1938 - 2015). Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2015b.

______. Pirenópolis. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2015.

KAM, V. Accounting Theory. 2. ed. New York: Jhon Wiley & Sons, 1990.

LAING, J. et al. Assessing the experiential value of heritage assets: A case study of a Chinese heritage precinct, Bendigo, Australia. Tourism Management, v. 40, p. 180-192, 2014. Disponível em: . Acesso em: 6 jun. 2015.

LIMA, Diana Vaz de et al. Pesquisa Empírica: Uma Contribuição ao Tratamento Contábil dos Bens de Uso Comum. Revista Ambiente Contábil, v. 3, n. 2, p. 34-44, nov. 2011. Disponível em: . Acesso em: 14 mai. 2015.

MAPURUNGA, P. V. R.; MENEZES, A. F de; PETER, M. G. A. O processo de Convergência das Normas Internacionais de Contabilidade: Uma realidade nos Setores Privados e Públicos Brasileiros. Revista Controle, v. 9, n. 1, p. 87-107, 2011.

MARTINS, O. S. et al. Uma discussão conceitual sobre o tratamento contábil dos heritage assets. ConTexto, v. 14, n. 26, p. 66-75, 2014.

MARQUES, M. de M.; FREIRE, F. de S. Mensuração de Ativos Culturais: Uma Aplicação do Método de Custo de Viagem na Catedral de Brasília. 127 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

NEW ZEALAND TREASURY. Valuation guidance for cultural and heritage assets. Treasury Accounting Policy Team, November, 2002. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2015.

NIYAMA, J. K. Teoria Avançada da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 2014.

______; SILVA, C. A. T. Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 2008.

PIRES, C. B.; RIBEIRO, D. C.; NIYAMA, J. K.; PEREIRA, J. M. Heritage Assets: Procedimentos para o Reconhecimento e Mensuração Adotados pelos Museus. In: Congresso Anpcont, 11., 2015, Curitiba. Anais eletrônicos... Curitiba: AnpCont, 2015, p. 1-19. Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2015.

PORTER, S. An examination of measurement methods for valuing heritage assets using a tourism perspective. Qualitative Research in Accounting & Management, v. 1, n. 2, p. 68-92, 2004.

PROVINS, A. et al. Valuation of the historic environment: The scope for using economic valuation evidence in the appraisal of heritage-related projects. Progress in Planning, v. 69, n. 4, p. 131-175, 2008.

RAUPP, F. M.; BEUREN, I. M. (2006). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. Como elaborar trabalhos Monográficos em contabilidade: teoria e prática. (3a. ed.) São Paulo: Atlas.

RIAHI-BELKAQUI, Ahmed. Accounting Theory. 5. ed. London: Thompson Learning, 2004.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL – STN. Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público: aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios. 6. ed. Brasília: Secretaria do Tesouro Nacional, Coordenação-Geral de Contabilidade Aplicadas à Federação, 2014.

SNOWBALL, J. D.; COURTNEY, S. Cultural heritage routes in South Africa: Effective tools for heritage conservation and local economic development? Development Southern Africa, v. 27, n. 4, 2010.

STANTON, P.J.; STANTON, P.A. Governmental accounting for heritage assets: economic, social implications", International Journal of Social Economics, Vol. 24 Iss 7/8/9 pp. 988 – 1006, 1997.

STRASSBURGER, R.; SOUZA, A. R. L. de; BEHR, A. Contabilidade de Ativos Culturais: Um Estudo Comparativo Entre Museus do Brasil e de Outros Países. ConTexto, v. 14, n. 28, p. 21-40, 2014.

SWENSEN, G.; JERPÅSEN, G. B. Cultural heritage in suburban landscape planning: A case study in Southern Norway. Landscape and Urban Planning, v. 87, n. 4, p. 289-300, 2008.

______; SÆTER, O. The Mall Method: Applied in a Study of Inhabitants' Appreciation of Urban Cultural Heritage Areas. International Journal of Qualitative Methods. International Journal Of Qualitative Methods, v. 10, n. 2, p. 125-139, 2011.

TAVARES, A. L.; GONÇALVES, R. S.; NIYAMA, J. K. Heritage Assets: Uma análise comparativa das normas emanadas do FASB, ASB e CFC. Advances in Scientific and Applied Accounting, v. 3, n. 1, p. 65-89, 2010.

TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS ESTADO DE GOIÁS. Instrução Normativa nº 015/12, TCM, de 7 de novembro de 2012. Dispõe sobre procedimentos para a formalização e apresentação, ao Tribunal de Contas dos Municípios, dos atos de pessoal - concursos, admissões, aposentadorias e pensões, das licitações e contratos, dos relatórios da LRF, dos instrumentos de planejamento governamental - PPA, LDO e LOA, das contas de gestão – balancetes - de 2013 e seguintes e das contas de governo - balanço geral - de 2012 e subsequentes, e dá outras providências. Goiânia, GO. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2015.

YANKHOLMES, A. K. B. Residents’ stated preference for scale of tourism development in Danish-Osu, Ghana. Cities, v. 31, p. 267-275, April, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.4270/ruc.2016306-25

Locations of visitors to this page

................................................................................................................................................................................................................................................................

Revista Universo Contábil - ISSN 1809-3337
Rua Antonio da Veiga, 140, Sala D-202
CEP 89012-900, Blumenau, SC, Brasil
Tel.: +554733210938 Fax: +554733228818
e-mail: universocontabil@furb.br