EVIDENCIAÇÕES DE INFORMAÇÕES SOCIAIS EM SEIS BANCOS BRASILEIROS – UMA ANÁLISE À LUZ DA TEORIA INSTITUCIONAL

José Maria Dias Filho, Fábio Viana de Moura

Resumo


O principal objetivo deste trabalho foi verificar até que ponto políticas de evidenciação de aspectos sociais adotadas por determinadas instituições financeiras são influenciadas por práticas de evidenciação adotadas por seus pares de maior porte. Para tanto, baseou-se em conhecimentos da Teoria Institucional [Meyer e Rowan (1977), Dimaggio e Powell (1983), Tolbert e Zulker (1999)], considerando principalmente o conceito de isomorfismo mimético. Foram examinados 24 balanços sociais dos seis maiores bancos brasileiros, referentes ao período de 2001 e2005. Apesquisa fornece evidências de um possível processo isomórfico na adoção de políticas de evidenciação de caráter social e ambiental entre as organizações estudadas. Afinal, comprovou-se que bancos de menor porte tendem a copiar modelos e práticas de evidenciação adotados pelos maiores. Os resultados confirmam a hipótese de que quando as organizações se deparam com incertezas e ameaças significativas para a sua continuidade, tendem a copiar estruturas e modelos adotados por outras que sejam percebidas como eficientes e racionais no ambiente em que operam. Este comportamento mostra-se congruente com os preceitos da Teoria Institucional.


Palavras-chave


Evidenciação Contábil, Teoria Institucional, Balanço Social, Instituições Bancárias.

Texto completo:

doi:10.4270/ruc.2013319

Referências


BERNARDO, Denise Carneiro dos Reis; CALEGÁRIO, Cristina Lelis Leal; PESSANHA, Gabriel Rodrigo Gomes; PINTO, Lauisa Barbosa. Responsabilidade social empresarial: uma análise dos balanços sociais das sociedades anônimas de capital aberto. In: EnANPAD, 2005. Anais..., 2005.

CARNEIRO, Guido Antonio da Silva. Balanço social: histórico, evolução e análise de

algumas experiências selecionadas. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, 1994.

CARPENTER, Vivian L., FEROZ, Ehsan H. Institutional theory and accounting rule choice: an analysis of four US state gorvernments’ decisions to adopt generally accepted accounting principles. Accounting Organizations and Society, v. 26, p.565 – 596, 2001. http://dx.doi.org/10.1016/S0361-3682(00)00038-6

DEEGAN, Craig; RANKIN, Michaela; TOBIN, John. An examination of the corporate social and environmental disclosures of BHP from 1983 – 1997: a test of legitimacy theory. Accounting, Auditing and Accountability Journal. v. 15, n. 3, p. 312 – 343, 2002. http://dx.doi.org/10.1108/09513570210435861

DEEGAN, Craig; RANKIN, Michaela. Do Australian companies report environmental news objectively? An analysis of environmental disclosure by firms prosecuted successfully by the environmental protection authority. Accounting, Auditing and Accountability Journal. v. 9, p. 50 – 67, 1996. http://dx.doi.org/10.1108/09513579610116358

DIAS FILHO, José Maria. Políticas de Evidenciação Contábil: um estudo do poder preditivo explicativo da teoria da legitimidade. In: EnANPAD, 31., Rio de Janeiro, 2007. Anais..., 2007.

DIAS FILHO, José Maria; MACHADO, Luiz Henrique Baptista. Abordagens da pesquisa em contabilidade. In: IUDÍCIBUS, Sergio de; LOPES, Alexsandro Broedel. Teoria avançada da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2004.

DIMAGGIO, Paul J.; POWELL, Walter W.. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review. v. 48, April, p. 147 – 160, 1983. http://dx.doi.org/10.1016/S0742-3322(00)17011-1

EUSKE, K. J.; RICCABONI, A. Stability to profitability: managing interdependencies to meet a new environment. Accounting Organization and Society. v. 24, p. 463 – 481, 1999. http://dx.doi.org/10.1016/S0361-3682(99)00020-3

FLIGSTEIN, Neil. The spread of the multidivisional form among large firms, 1919-1979. American Sociological Review. v. 50, n. 3, p. 377 – 391, 1985. http://dx.doi.org/10.2307/2095547

GRAY, Rob; KOUHY, Reza; LAVERS, Simon. Corporate social and environmental reporting, a review of the literature and a longitudinal study of UK disclosure. Accounting Auditing & Accountability Journal. v. 8, p. 44 – 77, 1995. http://dx.doi.org/10.1108/09513579510146996

MALACRIDA, Mara J. C.; YAMAMOTO, Marina M. Governança Corporativa: nível de evidenciação da informações e sua relação com a volatilidade das ações. Revista de Contabilidade e Finanças USP, p.65 – 79, 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772006000400006

MAROCO, João. Análise Estatística – com a utilização do SPSS. 3 ed. Lisboa: Edições Sílabo, 2007.

MARTINS, Eliseu. Normativismo e/ou positivismo em Contabilidade: Qual o futuro? Revista de Contabilidade e Finanças. v. 3, n. 39, p. 3-6, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772005000300001

MARTINS, Gilberto de Andrade; THEOPHILO, Carlos Renato. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2007.

MEYER, John W.; ROWAN, Brian. Institutional organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal Sociology. v. 83, n. 2, 1977.

PERROW, Charles. Review essay: overboard with myth and symbols. The American Journal of Sociology. v. 91, n. 1, p. 151 – 155, 1985.

PINTO, Anacleto Laurino; RIBEIRO, Maisa de Souza. Balanço social: avaliação de informações fornecidas por empresas industriais situadas no estado de santa catarina. Revista Contabilidade & Finanças, USP, São Paulo, n. 36, p. 21 - 34, setembro/dezembro 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772004000300002

POWELL, Walter W.. The new institutionalism, to appear in The international Encyclopedia of Organization Studies. University of Stanford. Disponível em: . Acessado em: 15/07/ 2008.

ROBSON, Keith et. al. Transforming audit technologies: business risck audit methodologies and the audit field. Accounting Organizations and Society. V. 32, p. 409 – 438, 2007. http://dx.doi.org/10.1016/j.aos.2006.09.002

SUIJS, Jeroen. Voluntary disclosure of information when firms are uncertain of investor response. Journal of Accounting and Economics.v. 43, p.391 – 410, 2007. http://dx.doi.org/10.1016/j.jacceco.2006.10.002

TOLBERT, Pámela S.; ZUCKER, Lynne G. A institucionalização da teoria institucional. In: CALDAS, Miguel; FACHIN, Roberto; FISHER, Tânia (org.). Handbook de estudos organizacionais. v.1. São Paulo: Atlas, 1998.

TOMS, J. S. Firm resources, quality signals and the determinants of corporate environmental reputation: some UK evidence. British Accounting Review. v.34, p. 257 – 282, 2002. http://dx.doi.org/10.1006/bare.2002.0211

VENTURA, Elvira Cruvinel Ferreira. Institucionalizando a Responsabilidade Social: Arranjos Estruturais no Campo das Organizações Bancárias. In: EnANPAD, 2005. Anais…, 2005.

WATTS, R. L; ZIMMERMN, J. L. Positive Accounting Theory. New Jersey: Prentice-Hall, 1986.

ZANELLA, Fernando Caputo; DE DAVID, Afonso Rodrigo. O balanço social como fonte de investigação científica: a relação entre lucros e salários. In: EnANPAD, 2002. Anais... 2002.




Locations of visitors to this page

................................................................................................................................................................................................................................................................

Revista Universo Contábil - ISSN 1809-3337
Rua Antonio da Veiga, 140, Sala D-202
CEP 89012-900, Blumenau, SC, Brasil
Tel.: +554733210938 Fax: +554733228818
e-mail: universocontabil@furb.br