SER OU NÃO SER INDEPENDENTE? UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A INDEPENDÊNCIA DAS INSTITUIÇÕES SUPERIORES DE AUDITORIA E O NÍVEL DE TRANSPARÊNCIA FISCAL DOS PAÍSES

Janilson Antonio da Silva Suzart

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi identificar a existência de uma relação entre o nível de independência de uma Instituição Superior de Auditoria e o nível de transparência fiscal de um país. A independência de uma instituição auditorial é vista como um fator essencial que pode interferir no desempenho das atividades desta entidade, vez que, está relacionada com a credibilidade que é atribuída a esta instituição. Em razão do objetivo desta pesquisa, foi executada uma análise de conglomerados hierárquica, utilizando o algoritmo de agrupamento de maior distância e a medida de similaridade de distância euclidiana quadrada. A amostra empregada foi composta por dados de 85 países, dentre eles o Brasil. A solução inicial resultou em onze conglomerados. Após a reclassificação, estes foram reorganizados em seis novos grupos. As análises permitiram a constatação de que um bom nível de independência de uma entidade nacional de auditoria está associado com um nível regular ou bom de transparência fiscal de uma nação. A assertiva contrária também foi constatada, ou seja, baixos níveis de independência de uma Instituição Superior de Auditoria estão associados a baixos níveis de transparência fiscal do país. Outra constatação é que, além do nível de transparência fiscal, outras variáveis interferem no nível de independência. A principal limitação desta pesquisa foi a utilização de variáveis relacionadas com a independência de uma Instituição Superior de Auditoria, tendo em vista que houve evidências de que outras variáveis podem impactar a adoção das práticas relacionadas à transparência fiscal.


Palavras-chave


Instituição Superior de Auditoria, independência, transparência fiscal

Texto completo:

doi:10.4270/ruc.2012320

Referências


ARAGÓN, A. G. de Case study: societal perceptions of the Superior Audit Office of Mexico. International Journal of Government Auditing, v. 36, n. 2, p. 15-17, abr. 2009.

BLUME, L.; VOIGT, S. Supreme audit institutions: supremely superfluous? A cross country assessment. ICER Working Paper, v. 3, p. 1-30, mar. 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União. Brasília: DF. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2010.

CLARK, C.; MARTINIS, M.; KRAMBIA-KAPARDIS, M. Audit quality attributes of European Union supreme audit institutions. European Business Review, v. 19, n. 1, p. 40-71, 2007. http://dx.doi.org/10.1108/09555340710714144

DYE, K. M.; STAPENHURST, R. Pillars of integrity: the importance of supreme audit institutions in curbing corruption. Washington: The Economic Development Institute of the World Bank, 1998.

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL. Código de boas práticas para a transparência nas políticas monetária e financeira: declaração de princípios. 1999. Disponível em: . Acesso em: 10 de mar. 2010.

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL. Manual revisto de transparência fiscal. 2001. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2008.

INTERNATIONAL BUDGET PARTNERSHIP. About the Open Budget Initiative. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2010.

GOOLSARRAN, S. A. The evolving role of supreme audit institutions. Journal of Government Financial Management, v. 56, n. 3, p. 28–32, 2007. http://dx.doi.org/10.1007/s10669-004-4800-2

INTOSAI. Declaração de Lima sobre Diretrizes para Preceitos de Auditoria. 1977. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2010.

KOPITS, G.; CRAIG, J. Transparency in government operations. IMF – Occasional Paper, v. 158, p. 1-42, jan. 1998.

LEEUWEN, S. V. Auditing international environmental agreements: the role of supreme audit institutions. The Environmentalist, v. 24, p. 93-99, 2004.

MAROCO, J. Análise estatística – com utilização do SPSS. 3. ed. Lisboa: Edições Sílabo, 2007.

MORIN, D. Welcome to the court. European Group of Public Administration, Madrid, Spain, p. 1-26, set. 2007.

NIKODEM, A. Constitutional regulation of supreme audit institutions in Central Europe in a comparative perspective. Managerial Law, v. 46, n. 6, p. 32-52, 2004. http://dx.doi.org/10.1108/03090550410771044

OCDE. OECD best practices for budget transparency. 2002. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2010.

PIOVESAN, A.; TEMPORINI, E. R. Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Revista Saúde Pública, v. 29, n. 4, p. 318-325, 1995. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101995000400010

PREMCHAND, A. Fiscal transparency and accountability: idea and reality. In: UNITED NATIONS. Globalization and new challenges of public finance: financial management, transparency and accountability. New York: United Nations, 2002. p. 129-143

SANDBERG, B.; LARSSON, K. The role of auditing in performance improvement in Sweden. In: OECD. Performance auditing and the modernisation of government. Paris: Puma, 1996. p. 195-198

SANTISO, C. Improving fiscal governance and curbing corruption: how relevant are autonomous audit agencies? International Public Management Review, v. 7, n. 2, p. 97-108, 2006.

SUZUKI, Y. Basic structure of government auditing by a supreme audit institution. Government Auditing Review, v. 11, p. 39-53, mar. 2004.

WORLD BANK. Supporting and Strengthening Supreme Audit Institutions: A World Bank Strategy. 7 out. 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2010.

ZYL, A. V.; VIVEK, R.; RENZIO, P. Responding to challenges of supreme audit institutions: Can legislatures and civil society help? Bergen: Chr. Michelsen Institute, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.4270/ruc.20128

Locations of visitors to this page

................................................................................................................................................................................................................................................................

Revista Universo Contábil - ISSN 1809-3337
Rua Antonio da Veiga, 140, Sala D-202
CEP 89012-900, Blumenau, SC, Brasil
Tel.: +554733210938 Fax: +554733228818
e-mail: universocontabil@furb.br