DIFERENÇAS ENTRE O LUCRO TRIBUTÁVEL E O LUCRO CONTÁBIL DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE CAPITAL ABERTO

Melina Carneiro Machado, Sílvio Hiroshi Nakao

Resumo


O estudo objetiva analisar se durante os anos de 1994 a 2007, período em que não havia neutralidade tributária, as normas contábeis atenderam aos interesses dos investidores e aos do fisco, apesar da existência dos mecanismos de gerenciamento de resultado e de planejamento tributário disponíveis para os gestores. Para tal, esse estudo buscou verificar se o lucro tributável (ou lucro real) divulgado pelas empresas brasileiras de capital aberto foi significativamente maior que o lucro antes do imposto de renda (LAIR), sendo ambas as variáveis padronizadas pelo ativo total de cada empresa no respectivo ano. Utilizaram-se as demonstrações contábeis fornecidas pelo software Economática para as empresas brasileiras listadas na BM&FBovespa, com exceção dos bancos, cuja alíquota de imposto de renda é diferente das empresas dos demais setores. Realizando o teste não-paramétrico U de Mann-Whitney, chegou-se à conclusão de que no período analisado, a média do lucro tributável foi significativamente maior que a média do LAIR, ambos ponderados pelo ativo total. Ou seja, apesar da atitude oportunista dos gestores, as normas contábeis para os investidores e para o fisco têm atendido seus respectivos interesses econômicos. Ao separar as empresas em dois grupos de acordo com seu tamanho, conclui-se que as empresas menores possuem pior planejamento tributário que as empresas maiores. Quando a separação foi feita de acordo com a mediana do lucro tributável, percebeu-se que as empresas abaixo da mediana possuem um lucro tributável menor que seu LAIR, o que pode ser explicado por um melhor planejamento tributário ou ainda por um maior aproveitamento de prejuízos fiscais anteriores.


Palavras-chave


Contabilidade para o usuário externo; Contabilidade Tributária; Pesquisa Contábil.

Texto completo:

doi:10.4270/ruc.2012324

Referências


ALLINGHAM, M. G.; SANDMO, A. Income tax evasion: a theoretical analysis. Journal of Public Economics, Amsterdam, v. 1, p. 323-338, 1972. http://dx.doi.org/10.1016/0047-2727(72)90010-2

BASU, S. The conservatism principle and the asymmetric timeliness of earnings. Journal of Accounting and Economics, Amsterdam, v. 24, n. 1, p. 3-37, Dec., 1997. http://dx.doi.org/10.1016/S0165-4101(97)00014-1

BLISS, J. H. Management through accounts. New York: The Ronald Press, 1924.

BRASIL. Lei n° 11.638, de 28 de setembro de 2007. Altera e revoga dispositivos da Lei n° 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei n° 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2010.

BUSHMAN, R. M.; PIOTROSKI, J. D. Financial reporting incentives for conservative accounting: The influence of legal and political institutions. Journal of Accounting and Economics, Amsterdam, 2006. http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.650244

COSENZA, J. P.; GRATERON, I. R. G. A Responsabilidade do auditor frente às práticas de contabilidade criativa. Revista Paulista de Contabilidade, n. 487, p.5-21, set. 2003.

COWELL, F. A. Tax sheltering and the cost of evasion. Oxford Economic Papers, v. 41, n. 1, p. 231-243, Jan. 1990.

DECHOW, P. M. SKINNER, D. Earnings management: reconciling the views of accounting academics, practitioners and regulators. Accounting Horizons, Sarasota, v. 14, n. 2, p. 235-250, 2000. http://dx.doi.org/10.2308/acch.2000.14.2.235

FIELD, T. D.; LYS, T. Z.; VINCENT, L. Empirical research on accounting choice. Journal of Accounting & Economics, v. 31, p. 255-307, Set. 2001. http://dx.doi.org/10.1016/S0165-4101(01)00028-3

FISCHER, C. M.; WATICK, M.; MARK, M. M. Detection probability and taxpayer compliance: a review of the literature. Journal of Accounting Literature, Gainesville, v. 11, p. 1-22, 1992.

FORMIGONI, H.; ANTUNES, M. T. P.; PAULO, E. Diferença entre o Lucro Contábil e Lucro Tributável: Uma Análise sobre o Gerenciamento de Resultados Contábeis e Gerenciamento Tributário nas Companhias Abertas Brasileiras. BBR Brazilian Business Review, v. 6, n. 1, p. 44-61, 2009.

GARCÍA-LARA, J. M.; MORA, A. Balance sheet versus earnings conservatism in Europe. European Accounting Review, London, v. 13, n. 2, p. 261-292, 2004. http://dx.doi.org/10.1080/0963818042000203347

GUBERT, P. A. P. Planejamento Tributário: análise jurídica e ética. 2. ed. Curitiba: Juruá, 2003.

HEALY, P. M., WHALEN, J. M. A review of the earnings management literature and its implications for standard setting. Accounting Horizons, v. 13, n. 4, p. 365-383, Dec., 1999. http://dx.doi.org/10.2308/acch.1999.13.4.365

HOFFMANN, R. Estatística para economistas. São Paulo: Thomson, 2006.

KRULL, L. K. Permanently reinvested foreign earnings, taxes and earnings management. The Accounting Review, v. 79, n. 3, p. 745-767, 2004. http://dx.doi.org/10.2308/accr.2004.79.3.745

LOPES, A. B.; MARTINS, E. Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas, 2005.

MARTINEZ, A. L. Gerenciamento dos resultados contábeis: estudo empírico das companhias abertas brasileiras. Tese (Doutorado em Contabilidade e Controladoria) - FEA/USP, São Paulo, 2001.

NARDI, P. C. C ; SILVA, R. L. M.; NAKAO, S. H.; VALLE; M. R. A relação entre gerenciamento de resultados contábeis e o custo de capital das companhias abertas brasileiras. Revista Universo Contábil, v. 5, n. 4, out./dez., 2009.

PHILLIPS, J. D.; PINCUS, M.; REGO, S. O. Earnings management: new evidence based on deferred tax expense. The Accounting Review, v. 78, n. 2, p. 491-521, 2003. http://dx.doi.org/10.2308/accr.2003.78.2.491

PIQUERAS, T. M. Relações das diferenças entre o lucro contábil e o lucro tributável (book-tax differences) e gerenciamentos de resultados no Brasil. Dissertação ( Mestrado em Ciências Contábeis) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

POHLMANN, M. C. Contribuição ao estudo da classificação interdisciplinar da pesquisa tributária e do impacto da tributação na estrutura de capital das empresas no Brasil. Tese (Doutorado em Contabilidade e Controladoria) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

SHACKELFORD, D. A.; SHEVLIN, T. Empirical tax research in accounting. Journal of Accounting & Economics, v. 31, n. 1-3, p. 321-387, Sep. 2001. http://dx.doi.org/10.1016/S0165-4101(01)00022-2

STIGLITZ, J. E. The general theory of tax avoidance. National Tax Journal, v. 38, n. 3, p. 325-337, Sep., 1985.

TANG, T. Book-tax differences: a function of accounting-tax misalignment, earnings management and tax management: empirical evidence from China. In: American Accounting Association Annual Meeting, Washington DC, 2006. http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.872389

WATTS, R. L. Conservatism in accounting, Part I: explanations and implications. Accounting Horizons, Sarasota, v. 17, n. 3, p. 207-221, Sep., 2003. http://dx.doi.org/10.2308/acch.2003.17.3.207




Locations of visitors to this page

................................................................................................................................................................................................................................................................

Revista Universo Contábil - ISSN 1809-3337
Rua Antonio da Veiga, 140, Sala D-202
CEP 89012-900, Blumenau, SC, Brasil
Tel.: +554733210938 Fax: +554733228818
e-mail: universocontabil@furb.br